uma causa e um desafio

Friday, January 27, 2006
Hoje faço-vos um apelo. A União Zoófila precisa do apoio de todos e, para isso, lançou uma campanha:
"A partir de agora a União Zoófila, em parceria com a Bluestel, disponibiliza-lhe o 760 30 99 50, um número através do qual poderá fazer o seu donativo (chamada de valor acrescentado de 0,60€ + IVA). Poderá ligar sempre que quiser e quando o desejar a partir do seu telemóvel ou telefone da rede fixa. O seu donativo é essencial para que a União Zoófila possa melhorar cada vez mais as condições de acolhimento de muitas centenas de cães e gatos, para quem representa a única hipótese de sobrevivência."
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- O que eu vos peço é, portanto, muito simples. Pedia a todos vocês que lêem o meu blogue neste momento que contribuissem para esta causa. É rápido e tão simples. E queria oferecer alguma coisa em troca. Prometo uma surpresa à pessoa que descrever melhor (em meia dúzia de linhas) esta história de amor. (Pode fazê-lo comentando neste post).
Mas antes de escreverem é essencial que contribuam para esta causa ligando para o número indicado. É claro que não tenho forma de comprovar se contribuiram ou não mas confio na vossa boa fé. Vou aceitar comentários aqui até ao dia 10 de Fevereiro. Boa sorte a todos!! Ah, prometo um prémio simpático e recheado :) "Os cães e gatos agradecem!"

6 comments:

  1. O que seria do branco se todos gostassem do amarelo, somos todos diferentes porém um único coração, feito pra amar o semelhante e porque não o diferente. E como muitos dizem "os opostos se atraem".

    Abreijos e espero que tenha contribuído para esta causa assim como ela merece.
    Nanna.

    ReplyDelete
  2. Acabei agora mesmo de contribuir e resolvi contar uma história de amor que se passou comigo. Quando há 8 anos cheguei a casa vi uma bolinha de pêlo prto nas escadas. Aproximei-me e vi que era uma gatinha. Não resisti e peguei-lhe. Ela ficou no meu colo como se eu já lhe tivesse pegado várias vezes. Não resisti e trouxe-a para casa. Dei-lhe leite que ela bebeu sofregamente. Não me largou mais visto que me seguia para todo o lado. Ainda pus um anûncio a dizer que a tinha achado, mas ninguém respondeu. (Ainda bem) Deixei-a também sair de casa para ver se encontrava a casa dos donos, mas nada. Ainda hoje está cá em casa, muito feliz, muito dona do seu nariz e muito dona de tudo o que se cá passa, incluindo de nós os dois (de mim e da minha mulher). Quando estamos juntos arranja sempre maneira de se dividir pelos dois (para não chatear ninguém). Espero não ter sido longo de mais, mas este é um dos maiores amores que tenho na vida.

    ReplyDelete
  3. O amor nasce de um olhar... nasce de um gesto, nasce de um nada...e simplesmente transforma-se no tudo.. no tudo que nos preenche, no tudo que nos acalma, no tudo que nos alimenta e no tudo que nos faz acordar todas as manhas por uma causa... um dia apaixonei-me por uma cadelinha doente que se encontrava numa associação zoofila, (onde fazia voluntariado), era a mais debil, a mais fragil, contudo a mais doce...veio comigo para casa e cuidei dela na esperança de que recuperasse, foi precisamente uma semana, em que dormi na casa de banho junto dela, em que lhe dei agua à boca, em que lhe troquei o soro... foi uma semana de angustia mas sempre de muita esperança... até que num sabado por volta das 22h00, enquanto me ausentei uns minutos da casa de banho ela começou a ganir, e eu assustada fui até ela, sentei-me perto da sua caixa, e ela com as poucas forças que tinha saiu da sua caixa e veio-se aninhar no meu colo, olhou-me com ternura e morreu...
    passaram já dois anos e guardo este momento como o mais triste de todos e também o mais belo...pela grandeza do gesto da minha amiguinha que me quis retribuir todos os cuidados e amor que tive para com ela, utilizando as suas ultimas forças para o fazer...era uma pura rafeirinha, mas por ela me apaixonei... e dela nunca me esquecerei!

    ReplyDelete
  4. Com um estalar de dedos
    um aceno
    um ligeiro esgar
    um assobio
    uma palavra até
    convencionada
    e todo tu te entregas
    sem limites
    como se valesse a pena
    o desvario
    em troca do que te dou
    que é quase nada

    (esta poesia escreveu o meu pai para o Popov, o meu labrador pêlo negro de veludo, que desde há um ano e pouco pertence à família)
    A contribuição foi feita...Beijinhos

    ReplyDelete
  5. O A M A R E L O

    E L A É G I R A
    E L E A Z U L E
    G A T O E N G A
    T A E E N C A I
    X A O C A S A L
    É F E I T O D E
    C H I T A E F E
    L T R O S Ó P O
    D E R I A S E R
    P E R F E I T O

    wicca

    ReplyDelete
  6. Adorei o da Wicca, muito lindo.

    ReplyDelete