Col de la Couillole

Tuesday, January 17, 2017













In our table

Tuesday, January 17, 2017






St Jeannet

Thursday, January 12, 2017









Braga

Friday, January 06, 2017






2016

Monday, January 02, 2017





Há um ano atrás o nosso mundo, como o conhecíamos, ruiu. Uma dor de cabeça fulminante e o diagnóstico, umas horas depois, tão difícil de digerir. As palavras todas misturadas sem fazer sentido, hemorragia cerebral, aneurisma. E os olhos tão azuis do médico, a voz tremida. Mais outro médico, depois o cirurgião, tudo tão depressa, como um daqueles pesadelos que nos tiram o fôlego e dos quais não conseguimos acordar… 
Guardei no telemóvel, até agora, as fotos mais difíceis que tirei na minha vida. E guardei as palavras que ainda não conseguia escrever. 
Liberto-as agora, neste ano novo em folha que quero agarrar com todas as forças. 
Naquele momento só consegui pensar que era injusto e tenebroso, que não podia ser verdade. Queria chorar, queria gritar, queria que alguém parasse o tempo naquele instante e me deixasse sair. Queria estar num sitio qualquer a queixar-me do frio ou do trânsito, queria ver a minha família toda ali a dizer-me que ia ficar tudo bem, queria ligar aos meus amigos e ouvi-los dizer coisas boas, queria que me desses a mão e me levasses dali para fora. 
E depois, uma força maior que eu, uma força do tamanho das preces e do amor de tanta gente prendeu-me àquele momento. 
Quando acordei da cirurgia achei que já estava tudo terminado e a batalha que se seguiu foi fria e escura e interminável.
Agora sei, a vida traz-nos sempre o que precisamos. Às vezes da pior forma possível. No momento achamos que não precisávamos de nada disso, que não podemos tirar nenhuma utilidade de algo tão feio e tão assustador. Não, nós já sabemos tudo o que precisamos saber, fartamo-nos de partilhar citações que não precisamos de pôr em prática, criticamos sem saber, julgamos, pedimos, queremos. E depois a vida lembra-nos. O motivo pelo qual nos chateamos com alguém deixa de fazer sentido, aquela pessoa em quem já não pensamos precisa de ajuda e nós precisamos de alguém que pensávamos já ter esquecido. Em vez de resoluções de ano novo e listas intermináveis de coisas a fazer pensamos no que podemos dar e em tudo o que temos para agradecer.


O dia chega. Aquele dia que é igualzinho a um barco a brilhar ao sol num mar imóvel, logo depois de uma longa tempestade. Esse dia chega, com todas as metáforas de velas rasgadas e destroços que as tempestades trazem e o mar a seguir fica tão calmo que, no início, estranhamos aquele silêncio e aquela quietude. É um silêncio que fere e arranha por dentro. Um silêncio que relembra medos e traz memórias de coisas difíceis e escuras. 
E repetimos que vai ficar tudo bem, até acreditarmos nisso. Até sermos só o barco a flutuar num mar calmo de gratidão.



A cor dos dias

Saturday, December 17, 2016